Aula 3 – Perdão

O perdão é um grande parceiro na trajetória que leva ao sucesso e à plenitude. Ao revisitar sua própria história, poderá observar os erros que cometeu até aqui, as falhas que atribuiu a quem esteve ou está ao seu redor, e desculpar a si mesmo e aos outros por tudo aquilo que não deu certo. Terá, ainda, a chance de conectar-se à sua inteligência espiritual, o que lhe permitirá criar relações mais afinadas, bonitas e leves com tudo e todos aqueles que o cercam.

Depois da aula sobre perdão, eu gostaria de saber:

- Você tem uma história de perdão que gostaria de compartilhar comigo?
- Qual é? Fique à vontade para escrever. Eu quero ouvi-lo.

Nosso próximo assunto será: NOVO COMPORTAMENTO.


Aulas anteriores



Com amor e luz,
Heloísa Capelas

46 respostas em “Aula 3 – Perdão

  1. jacira pires da silva de oliveira

    sim gostaria de perdoa minha irmã eu a amo muito mas não gosto da forma que age com muitas pessoas ela deseja muita coisas ruins pro irmão pra minha cunhada e meus sobrinhos que perderão meu irmão agora apouco tempo queria poder achar uma forma de ajudá-la a entender o quanto esta nos magoando e com isso estou muito magoada com ela sei que este sentimento dela é com outras pessoas mas me machuca muito mesmo.

    Reply
    1. Ana Lúcia

      Realmente essa bola de neve que é acumular mágoa destrói as nossas vidas. Já tenho consciência de tantas coisas mas isso não tem sido mesmo suficiente. Porque como você está demonstrando, os outros passos precisam ser dados com um ritmo mais estável na vida e não “ora estou bem, ora mal”.
      A lembrança que mais me magoou com minha mãe – porque meu sofrimento vem da minha relação com ela foi quando ela me castigou porque quebrei um boneco de porcelana de minha irmã mais velha. Eu era muito pequena (uns cinco anos) e adorava as coisas da minha irmã (8 anos), os brinquedos, as bonecas, etc. Porque ela sempre foi muito cuidadosa e exigente e manhosa quando não faziam sua vontade e conseguia tudo da minha mãe dessa maneira. Minha mãe fazia todas as vontades dela e ela respondia fazendo sempre tudo “certo”. Tirava notas altas, estudava bastante, nunca derramava nada em suas roupas, estava sempre limpa e arrumada, coisa muito valorizada pela nossa mãe. Mas eu sempre fui de questionar quando não fazia muito nexo para mim uma atitude e isso se transformou em rebeldia, sempre fui de gostar de subir em árvores e ficar mais sozinha pesquisando os insetos e descobrindo como se faziam as coisa ou desenhando e isso se transformou em “esquisitice” e me fechei muito com ela porque nada a agradava e isso se transformou em ciúme da minha irmã e carência emocional. Nunca aprendi direito a me expressar falando porque toda conversa, diferença com minha mãe, se transformava em conflito. Eu me sentia um patinho feio. Meu pai veio a falecer muito cedo (53 anos) e eu tinha 20. Daí para frente ficou muito difícil construir com estabilidade minha vida financeira e afetiva. E isso me atrapalhou bastante em meus relacionamentos com meu ex marido e meu filho. Embora não tenha formalizado um casamento vivemos alguns anos juntos. Me dediquei ao estudo de Arquitetura (curso que precisei interromper no 3º ano de faculdade) e Artes e só agora, com 60 anos é que estou me sentindo apta para estabelecer essa condição de estabilidade através de meu trabalho e aptidões. Me sinto mais segura, menos “menina”, embora tenha vivido com meus recursos até hoje. E este curso breve online veio na hora certa. Gostaria de continuar pois estou vivendo uma fase muito positiva. Embora, confesso, às vezes sinta muito medo de não ter a capacidade para sustentar uma projeção através de meu trabalho com pessoas e público (porque vou ter cada vez mais que me relacionar com mais pessoas). Gostaria realmente de perdoar minha mãe, que ainda está viva e minha irmã, mas não superficialmente, como fiz até hoje, mas verdadeiramente, definitivamente, sem por isso me prejudicar. Porque de alguma maneira tosca, até então perdoar as duas sempre foi confundido com fazer a vontade delas, invariavelmente. E isto significa me machucar, me “forçar”. Meu coração, às vezes, se dilata neste sentido e tudo fica claro. Mas, comumente volta a se contrair e os mesmos sentimentos de auto vitimização e raiva e etc. me machucam, sem que ninguém precise na verdade, fazer nada. Este relógio já anda sozinho. Quero parar este relógio. Inverter suas horas, ver e sentir diferente, perdoar e perdoar-me principalmente, ser feliz.

      Reply
  2. Vitoria

    Vou fazer 60 anos e não lembro de ter me deparado com alguma situação onde a vida paralisasse e há uns 4 anos eu tenha me perdido e distanciado das pessoas, Familia e amigos também. Então de tanto buscar a razão de onde começa, onde rompeu ou a quem deve perdoar, é dificil. Em todo relacionamento, há divergências, diferenças, e não foi diferente. Meus pais eram muito presentes e os castigos e formas de educar, não foi incomum a época. Meu pai faleceu e silenciou algo, ele era o que quebrava o gelo, mediava as questões. Minha mãe é temperamental, mais agressiva e após a perda de um neto, ficou depressiva e raramente se consegue alegrar e até quando o motivo é de alegria, ela chora. Fica um sentimento de cansaço, impotencia. A raiva,mcreio que vai para o corpo, dores constante. E por ter me afastado, as cobranças são veladas e confundo se sou eu que não me perdoo ou não poder mudar o quadro que se instalou com a ausência do meu pai e sobrinho. É como não ter saída e hoje vivo quase como minha mãe, sorimento e dor.

    Reply
  3. edylleny22@hotmail.com

    Perdoar é muito difícil para quem não tem entendimento sobre o assunto ,não sei se perdoo ,pois um vez que alguém me magoa me fere ,simplesmente não quero mais contato ,quero ignorar ,quero distancia ,não sinto raiva ,mais ao lembrar do acontecido tenho a mesma sensação de quando aconteceu,tive um casamento de 11 anos uma relação onde me entreguei ,busquei ser feliz sem sucesso ,dentro do meu coração sentia um vazio tao grande e uma busca sem sentido as vezes ,pq não ser feliz com o que tenho ?a uns quatro anos entramos em crises era cada um pra si ,sem tanta conversa ,sem tanta aproximação …então descobri que ele tinha outra pessoa tinham um caso de 3 anos ,senti raiva ,nojo e uma sensação que nunca desejo para ninguém pq não sei descrever .. quero que ele seja muito feliz ,mas aqui no meu coração a magoa esta comigo ,vai fazer 6 meses que pedi a separação ,hoje conhecendo outra pessoa ,a sensação me acompanha de quando eu estava casada , ou seja não são as pessoas ou relacionamentos sou eu …a sensação de me sentir sozinha me acompanha pq me perdi não sei mais quem eu sou .

    Reply
  4. Kelly

    Oi gostei eu estou fazendo isso mesmo o que vc esta falando . Eu já perduei e esqueci . Gostaria que na próxima vc falasse em relacionamento em geral . Obrigada.

    Reply
  5. bruno alves

    - Você tem uma história de perdão que gostaria de compartilhar comigo?
    sim
    - Qual é? Fique à vontade para escrever. Eu quero ouvi-lo.
    e sobre a separação de meus pais, quando criança não entendia o real motivo daquilo estar acontecendo em minha vida, foi uma época muito dificl pra min, sem saber entender, meu pai distante de min, nao ligava, nem pra desejar feliz aniversario, hoje eu compreendo oque estava acontecendo naquela tempo, mais nem por isso deixei de amar ele, sim tinha muita raiva dele por nao estar presente nos momentos mais dificeis, assim como na minha adolecência senti muito a falta dele não estar aqui por perto. Eu tenho muito orgulho da pessoa que me tornei apesar de nao ter meus pais juntos por perto,.

    Reply
  6. Dalila Santos

    Olá bom dia Heloisa, tudo bem?
    Primeiramente, parabéns pela aula! Gostei muito!
    Bom… uma história de perdão… é uma coisa muito complicada mesmo… mas, enfim, acredito que tudo começou na infância mesmo… Como disse anteriormente, sou a filha mais velha. Tenho um irmão e duas irmãs. Acho que, os filhos mais velhos, sempre são as ‘cobaias’ de nossos pais. Por muito tempo, eu não compreendia porque meus pais me tratavam tão duramente… e com meus irmãos… as coisas eram mais flexíveis…Me tornei uma adolescente dura, infeliz, exigente…. mesmo que eu não concordasse com meus mais, mesmo que discutisse, debatesse, no final, eu acabava obedecendo, porque, ainda tinha a questão da religião: obedecer a Deus a aos pais, porque estava escrito na bíblia…! Quando as coisas começaram a melhorar com minha mãe, quando começamos a ser amigas, ela, infelizmente faleceu. Isso acabou comigo.
    A relação com meu pai… sempre foi difícil… e depois da morte dela.. acho que piorou… eu passei a sentir ódio dele… porque enfim, as pessoas tiveram coragem de dizer tudo de errado que ele fazia por aí.. traições, dívidas…. enfim… isso não me fez bem mesmo…. me sentia culpada pelo ódio… e em falta diante de Deus… me tornei uma adulta fechada, exigente e inflexível.
    Hoje, não sinto tanto ódio assim… o perdão pleno, ainda não aconteceu…mas, é algo que me incomoda muito… uma amiga me disse que, sou desprendida das pessoas.. que desfaço uma amizade muito fácil…
    .. na verdade.. eu me afasto… talvez ..isso seja uma forma de punir a pessoa e a mim mesma, por algo que deu errado entre nós…
    Nos últimos meses, tenho perdido algumas coisas, quando decidi ficar no chão… porque cansei de me levantar e enfrentar… toda vez, só eu que tenho que ser forte… perdi o namorado, não passei no concurso, perdemos a nossa casa, e recentemente, uma amiga de longa data… que me ofendeu injustamente com palavras… eu não perdoei e me afastei .. acabou.
    Cheguei a pensar na morte …por muitas semanas… parei de ir na igreja… e perguntava pra Deus: se eu fui fiel em tudo, se obedeci aos meus pais, se obedecia a doutrina, se eu disse não ao pecado varias vezes, se deixei de me divertir… por ouvir conselhos de amigos, pais, igreja… porque tudo de errado está acontecendo comigo agora??? Porque??? Isso não é justo!!!
    parei até de fazer orações… só chorava….emagreci muito….e queria muito ..cheguei a pedir para alguns poucos amigos, que desistissem de mim, porque, se Deus não me ouve mais, não vejo mais sentido em estava viva.. em estar aqui…!
    Hoje, não estou curada, nem liberta de tudo isso. Mas, tenho buscado auxilio, respostas sobre mim mesma, já que ninguém sabe o que dizer… nem eu mesma sei… Porém, acredito que posso melhorar. Não sei se, quero ser quem eu era.. ou parte do que fui. E também não sei que que serei daqui pra frente. Foi quando comecei a ler sobre AUTO-CONHECIMENTO. Estou gostando e quero descobrir, quem realmente sou.

    Desculpe se falei demais, se estou confusa nas palavras…
    Parabéns pelo trabalho!

    Um grande abraço!!!

    Dalila

    Reply
  7. Deusdete

    Eu descobri agora que na verdade eu tinha uma magoa quando na infância eu fui levada pela minha irmã mais velha , para fazer o primeiro ano do ensino fundamental e nunca mais voltei… sempre achei que minha mãe abriu mão de mim..

    Reply
  8. Juliana P.

    Infelizmente o maior perdão que tenho a liberar ainda está por vir. Evoco toda ajuda do meu Ser Superior e dos mestres espirituais para que possa perdoar de coração minha mãe.

    Reply
  9. Rafael Junior

    Perdão muda as pessoas, principalmente àquela que consegue perdoar.
    Tive uma historia com meu pai, onde fui roubado, e decidi-lo perdoar, assim como Jesus fez.
    Aulas estão ótimas!
    Obrigado,

    Reply
  10. Maicon Correa

    Sim. Nunca perdoei meus pais, e posso especificar minha mãe, pela infância que eu tive, diferente da dos meus amigos, e com a ausência deles na minha vida. Mas entendo que não por mal, pois sempre trabalharam para que eu tivesse a boa educação e oportunidades que tenho hoje. Ainda sim, é difícil pro meu coração expressar esse entendimento.

    Reply
  11. Luzia

    Boa tarde,
    Heloísa Capelas
    A minha mãe foi uma vencedora. Hoje compreendo mais e mais o comportamento protetor dela. Passei muitos anos guardando algumas mágoas que consegui perdoá-la e pedir perdão por muitas vezes não comprendê-la. Ela está no mundo espiritual. Nesse momento, sinto tantas saudades, faz 1 ano e quase três meses. Estou chorando, agora… .
    Eu preciso perdoar, a mim as pessoas e amar, ter compaixão.
    Sinto gratidão, por me possibilitar

    Reply
  12. Carla Cristiane Maldaner

    Olá Heloisa
    Estou fazendo terapia espiritual e na minha busca na internet em assuntos que poderiam me acrescentar algo encontrei vc e seu curso.
    Gosto muito do que diz respeito a autoconhecimento, quem sou, qual minha missão aqui e estou nesta busca.
    Ainda não tenho certeza, mas acho que preciso fazer um trabalho de perdão com meu pai que já não está mais aqui já está em outra dimensão.
    Ele foi uma pessoa dura, rígida não era muito de ficar com a família mas trabalhava e nos mostrou a mim e minha irmã a importância do trabalho. Mas, em compensação não era muito carinhoso, não fazia programas conosco e era alcoólatra. Sua doença antes de partir fez com que ele pensasse em sua vida e pedisse perdão ainda nesta encarnação e depois foi em paz…muita paz!!!
    Estou com 41 anos, tenho uma filha de 3 anos com meu parceiro.
    Mas, de uns tempos pra cá, bateu aquela dúvida …o que quero pra mim?qual minha missão aqui?que tipo de trabalho voluntário me faria sentir realizada como ser humano?
    Gosto muito e leio muito sobre espiritismo e sei que meus guias de luz já estão me ajudando…
    Gratidão
    Carla

    Reply
  13. Luciana

    Tenho sim. Fui filha de mãe solteira, meu pai virou as costas para nós quando minha mãe ainda estava grávida. Tivemos uma vida muito difícil, depois de adulta conheci meu pai. Hoje nos relacionamos, sinto que tem algo ainda entre nós que nos afasta. Além disso eu perdi minha mãe depois de 9 meses de internação e muito sofrimento, durante todo esse tempo fiquei entre meu trabalho e o hospital,procurava está sempre com ela,fazia de tudo para manter o bom humor,mas não conseguia esconder a tristeza que sentir por vê-la no leito do hospital. Hoje 9 anos depois que ela morreu, me sinto culpada por não ter dado uma vida melhor a ela. Apesar de começar a trabalhar muito cedo e de ter realizado alguns dos seus sonhos, sinto que poderia ter feito mais e me sinto muito culpada.

    Reply
  14. Jandiara

    A-do-rei…Eu já pensava assim, sobre o perdão. Mas…a aula de hoje fortaleceu muito a minha vida. E eu nem sabia que tinha inteligência espiritual !!!!!!!!!!!!!! Vou usa-la muito mais e conscientemente. Valeu Helô. Sou grata.

    Reply
  15. Vitoria Henrique

    Heloísa, não sei o quanto há de perdões para cada um que magoou e/ou que magoei também. Como também não sei discernir se perdoei de fato e a forma como ainda expresso nos relacinamentos (família e amigos), são ainda resquícios das mágoas e forma que expressava por quase 60 anos. A impressão, pós Curso, é de renascimento. Só que ocorre com todas as marcas, registros e defesas. E as defesas que não sei dizer: perdoei ou tenho que adquirir um novo pafrão de comportamento, resposta, expressão. Tenho feito diariamente a meditação. Tenho que aprender a reciclar os pensamentis para transformação e daí que surge, de fat, uma expressão nova? A do SER que experenciei lá no Processo? Grata!!! Aqueles 7 dias, vivifdos naqueke espaço, não kembro de ter vivido aqui fora, em nenhum momento da minha vida. E esta razão de querer não mais perder este contato. E não fui brilhante, fui apenas quem sou.

    Reply
  16. caroline linhares

    Ola Haeloisa,

    Eu sou filha de pais separados e eu tenho uma magoa do meu pai..pois ele sempre foi muito ausente e eu nao tive o amor de pai na infancia. Meus avos ate tentaram suprir esse vazio, mas nao era o mesmo que ter un pai.
    Com isso eu fui desenvolver um comportamento de carecia e descinfianca em meu casamento..sempre culpei meu marido pela falta de amor e interesse…pela ausencia emocinal dele para comigo.
    Estou buscando a cura e o perdao em terapias e florais e ja estou envoluindo. Mas preciso cada dia aprender a perdoar e saber que as pessoas nao me magoam porque querem e sin sao o espelho de nos mesmos em cada situacao.

    Grande abraço

    Reply
  17. MAUREEN TICIANA

    Eu tenho uma história, mas acho que ainda não perdoei a pessoa que me magoou. Eu acho que perdoei, mas qdo surgem determinadas situações, percebo que sinto uma raiva tão grande dessa pessoa, juntamente com uma raiva de mim por ter me deixado levar por ela. E ai me questiono se realmente a perdoei, ou se falo isso da boca pra fora. Vejo que não consigo tocar minha vida pra frente, que coisas do passado vivem batendo a minha porta, pra me lembrar do quanto fui burra em confiar tanto em uma pessoa.

    Reply
  18. Ana Cristina Moreira da Silva

    - Você tem uma história de perdão que gostaria de compartilhar comigo?
    Sim. Várias!
    - Qual é? Fique à vontade para escrever. Eu quero ouvi-lo.
    Bem, vou contar uma experiencia de infancia. Meus pais trabalhavam e eu e meu irmão ficavamos com uma tia, irmã de meu pai. Ela é uma pessoa bastante autoritária e represora. Apesar de nunca bater usava palavras muitoagresivas para conseguir que fizessemos oqueelamandava. Desqualificando a gente. Lembro de frases como: Vai calçar esses gadanhos! Vai pentear esse pichain! Olha os modos,estão se comportando como crianças mal educadas!
    Digo que ela contribuiu para queeuficasse comuma autoestima pessima, Eu tinha verdadeiro problema em me relacionar com meu corpo. Achava-me feia e desengonçada.
    Hoje sinto enorme gratidão por ela ter podido ajudar nossos pais a criarem a gente.

    Reply
  19. Giovanna Cotta Carvalho

    Olá Heloísa,
    a minha história de perdão é sobre o meu pai. Assistindo a esse curso sempre me vem a mente comportamentos da minha mãe que eu acredito que tenham me levado a ser quem eu sou. Então eu comecei a pensar, “e o meu pai? Era perfeito? Não errou em nada?” e me lembrei que teve uma época na minha infância que eu parei de conversar com ele. Estava chateada porque ele batia em mim e meu irmão. Eu achava aquilo um absurdo e uma humilhação. Nem me lembro como voltamos a conversar, mas eu o perdoei tão profundamente que quase não conseguia me lembrar disso. Pensando agora, ele nos batia pela maneira como foi criado por seus pais, em uma casa onde não havia diálogo com crianças, se resolvia batendo. Quanto a minha mãe, ela parece ser mais complexa. Eu não carrego mágoas dela e também acredito ter perdoado que muitos de meus medos e inseguranças tenham vindo dela, mas, apesar de tê-la perdoado eu ainda não consegui transformar esses sentimentos e comportamentos dentro de mim.

    Reply
  20. Daise

    Obrigada, Heloísa, por me lembrar do perdão. Perdoar a todos procurando entender o porque que nos magoamos. Exigimos comportamentos dos outros, mas nem sempre retribuímos. Nos dias atribulados em que trabalho no que já não gosto mais, me esqueço do perdão. Quero mais do que nunca meu auto conhecimento, a modificação de minhas velhas crenças e o perdão a mim e quem quer que eu esteja segurando no meu inconsciente…Irei em busca destas verdades, com coragem!
    Obs: Já li o seu atual livro. Estou lendo de novo alguns tópicos dele…

    Reply
  21. neusa gama

    Na verdade a minha história de perdão é com a própria vida , com as circunstâncias e até com o próprio tempo, ou melhor ,a época em que fui educada, já que o tempo de formação da minha personalidade, do meu modo de ser , aconteceu numa época em que os conceitos educacionais, sociais, comportamentais eram muito rígidos e padronizados. Então os pais, a escola, a sociedade contribuíram para o meu modo de ser. Não tenho nada a perdoar porque entendo isso tudo. Mas toda essa vivência ficou cristalizada em mim.

    Reply
  22. Mateus

    Minha história é bem parecida com a sua, eu fui criado para sem uma pessoa mediana, porém eu não me tornei aquela pessoa que meus pais gostariam, eu sempre quis muito mais da minha vida, procurei e procuro me desenvolver em inúmeras áreas, investi e tenho um negócio dentro da propriedade de meu pai e a discussão é constante entre nós. Ainda não perdoei, porém, preciso entrar neste caminho agora e desenvolver esse poder, se é que posso chamar assim.

    Reply
    1. Jane

      Você tem uma história de perdão que gostaria de compartilhar comigo?
      Hoje eu busco me colocar no lugar da pessoa para melhor entender o motivo que a levou a ter o referido comportamento que me causou mágoa. E acredito que muita coisa está mesmo na bagagem que ela traz de sua história de vida e fica mais fácil relevar e perdoar. Realmente as maiores mágoas que trazemos são dos pais, mas assim como filho não vem com manual, também não existe um manual para ser Pai ou Mãe. Só lamento ter compreendido isso mais profundamente, depois que meus pais faleceram, embora não tenha sido uma filha ruim, gostaria de ter reconhecido o que fizeram por mim e dado mais afeto do que dei para eles. Hoje busco ser melhor a cada dia como Mãe.
      Impossível não se emocionar com suas palavras, me tocaram muito e com certeza vai me ajudar ainda mais no ato de me perdoar mais como filha e mãe.

      - Qual é? Fique à vontade para escrever. Eu quero ouvi-lo.
      Por causa dos filhos preciso conviver com meu ex-marido, ele é muito passional impulsivo e vive fazendo e dizendo coisas que me aborrecem, mas busco lembrar da história de vida dele e foco no lado positivo dele, nas qualidades que possui e aí em pouco tempo acabo esquecendo as atitudes e “grossuras” que poderiam me magoar.

      Reply
  23. Rosangel a de Melo

    Tive uma historia com minha mãe, mas que consegui perdoar antes dela partir.
    Quanto a esse assunto estou bem resolvida.

    Reply
  24. Fatima Ferreira

    Oi Heloisa, que aula magnifica! Nessa aula eu pude compreender o porque de alguns fatos se repetirem na minha vida. Embora eu achasse que já havia perdoado meu pai por me causar profundas mágoas eu ainda não havia realmente percebido as motivações dele. Agora nessa aula fiz a conexão. Essa é a chave da minha libertação. Obrigada! Muitíssimo obrigada!

    Reply
  25. Zélia Rocha

    Várias: Minha mãe me criou c/ medos, menina não podia: andar de bicicleta, subir em árvores,
    andar a cavalo, brincar c/ meninos, casei faltando um mês p/ fazer 18 anos, com certeza para
    sair de casa, foi um caos, ele era ciumento até das amigas. Me separei, levando o meu filho de
    4 anos c/ muitos traumas e depois de muitas brigas judiciais. Procurei tratamentos espirituais, filosóficos, e auto ajuda. Consegui perdoar minha mãe, pq entendi que a forma dela me proteger, foi a que ela
    recebeu. Consegui perdoar o pai do meu filho, tendo consciência de que muitas vezes fiz por
    merecer rs!

    Reply
  26. Munique

    - Você tem uma história de perdão que gostaria de compartilhar comigo?
    - Qual é? Fique à vontade para escrever. Eu quero ouvi-lo.

    Quando era criança, lembro de meus pais sempre estarem brigando e brigando comigo e meu irmão… Não entendiamos o porque de tanto rancor, pois não fazíamos nada de errado, a impressão era que minha mãe descontava seus desgostos nos filhos… mas para nós a impressão era de que não eramos bem quistos… Hoje eu entendo perfeitamente aquele comportamento, e não era porque não gostava de nós e sim porque queria nos dar um futuro melhor e nos deixar ‘preparados’ para o futuro… era a forma deles nos demonstrarem seu amor.

    Reply
  27. Flávia

    Tenho algumas histórias de traumas, mágoas que preciso perdoar. Vou refletir sobre todas.
    Concordou que seja um passo fundamental em nossas vidas. Só assim podemos seguir adiante.
    Obrigada pelos ensinamentos.

    Reply
  28. RObson de oliveira tony

    A importância do perdão

    O pequeno Zeca entra em casa, após a aula, batendo forte os seus pés no assoalho da casa. Seu pai, que estava indo para o quintal para fazer alguns serviços na horta, ao ver aquilo chama o menino para uma conversa.

    Zeca, de oito anos de idade, o acompanha desconfiado. Antes que seu pai dissesse alguma coisa, fala irritado:

    - Pai, estou com muita raiva. O Juca não deveria ter feito comigo. Desejo tudo de ruim para ele.

    Sei pai, um homem simples mas cheio de sabedoria, escuta calmamente, o filho que

    continua a reclamar:

    - O Juca me humilhou na frente dos meus amigos. Não aceito. Gostaria que ele ficasse doente sem poder ir à escola.

    O pai escuta tudo calado enquanto caminha até um abrigo onde guardava um saco cheio de carvão. Levou o saco até o fundo do quintal e o menino o acompanhou, calado.

    Zeca vê o saco ser aberto e antes mesmo que ele pudesse fazer uma pergunta, o pai lhe propõe algo:

    - Filho, faz de conta que aquela camisa branquinha que está secando no varal é o seu amiguinho Juca e cada pedaço de carvão é um mau pensamento seu, endereçado a ele. Quero que você jogue todo o carvão do saco na camisa, até o último pedaço. Depois eu volto para ver como ficou.

    O menino achou que seria uma brincadeira divertida e pôs mãos à obra. O varal com a camisa estava longe do menino e poucos pedaços acertavam o alvo.

    Uma hora se passou e o menino terminou a tarefa. O pai que espiava tudo de longe, se aproxima do menino e lhe pergunta:

    - Filho como está se sentindo agora? Estou cansado mas estou alegre porque acertei muitos pedaços de carvão na camisa.

    O pai olha para o menino, que fica sem entender a razão daquela brincadeira, e carinhoso lhe fala:

    - Venha comigo até o meu quarto, quero lhe mostrar uma coisa.

    O filho acompanha o pai até o quarto e é colocado na frente de um grande espelho onde pode ver seu corpo todo. Que susto! Só se conseguia enxergar seus dentes e os olhinhos.

    O pai, então, lhe diz ternamente:

    - Filho, você viu que a camisa quase não se sujou; mas, olhe só para você. O mau que desejamos aos outros é como o lhe aconteceu. Por mais que possamos atrapalhar a vida de alguém com nossos pensamentos, a borra, os resíduos, a fuligem ficam sempre em nós mesmos

    (Autor desconhecido)

    Cuidado com seus pensamentos; eles se transformam em palavras.
    Cuidado com suas palavras; elas se transformam em ações.
    Cuidados com suas ações; elas se transformam em hábitos.
    Cuidado com seus hábitos; eles moldam o seu caráter.
    Cuidado com seu caráter; ele controla o seu destino

    Reply
  29. Há 4 anos perdoei alguém. Para mim foi muito dificil perdoar pq a pessoa já é falecida, então eu não podia brigar, chingar, berrar, nem nada… Mas um dia aprendi a fazer a EFT (Emotional Freedom Techniques) e comecei a fazer as “batidinhas” e fui me libertando, nesta mesma época comecei a conversar com uma vizinha e ela com apenas uma frase conseguiu fazer com q eu enchergasse pelo menos uma coisa boa nessa pessoa que faleceu. Eu acredito q foi através da EFT que atraí essa pessoa (vizinha) para me dizer o que eu precisava ouvir. Minha vida era um emaranhado de problemas e eu nunca tinha tido amizade com essa pessoa e assim do nada começamos a conversar… Eu sinto e sei q o perdoei pq nunca mais nestes anos tive vontade de falar mal dele e qdo alguma amiga ou parente fala mal dele eu procuro ou desviar o assunto ou acabo defendendo, falando das coisas boas.. as pessoas falam dele por minha culpa, pq eu durante 7 anos guardei um ódio tão grande q em qq oportunidade eu falava mal…. agora tudo isso passou… qdo penso nele, penso até com carinho e parece que as coisas ruins que aconteceram sumiram do meu coração. Com esse perdão minha vida mudou muito tb, encontrei um homem maravilhoso com quem me casei, consegui o emprego que almejava, viajei duas vezes no ultimo ano para a Europa (coisa q nunca pensei que conseguiria), viajo sempre nos feriados e férias pelo Brasil tb. Não vou dizer que melhorei 100%, logico que tem coisas que preciso melhorar e muito, mas qdo vejo que as vezes não tinha nem o que comer, então posso dizer que mudou muito a minha vida. O perdão foi o início de tudo. E essa técnica EFT me ajudou muito e ainda me ajuda. Agora continuo fazendo EFT para vencer outras coisas na minha vida.

    Reply
  30. cristiani

    Você tem uma história de perdão que gostaria de compartilhar comigo?
    Sim
    - Qual é? Fique à vontade para escrever. Eu quero ouvi-lo
    Minha mãe…..td o q vc falou no vídeo e mais um montão de outras coisas eu tive e tenho com a minha mãe.Ela nunca me aceitou.Desde q eu nasci ela não me aceita.Se eu for contar aqui vai dar um testamento kkkk.Fui chamada de tudo o q se possa imaginar ;piranha,prostituta,vagabunda,malandra,burra,porca…etc…etc…etc….Hj tenho 46 anos e há 15 dias ouvi mais um absurdo do meu pai ( instigado pela minha mãe é claro kkkk).
    Bom não vou contar detalhes aqui mas infelizmente esse exercício sobre o perdão vai ser bem longo pois dessa vez eu desenvolvi um ódio q eu nunca tinha sentido antes….talvez tenha sido o acumulo de acontecimentos ao longo desses anos q acabou nesse sentimento horroroso de raiva,desprezo,vontade de nem andar na mesma calçada entende??É….acho q esse exercício de conjugar esse verbo PERDOAR vai ser um grande desafio.

    Reply
  31. Gilka Rosana

    A minha infância e adolescência foram muito difíceis, muita carência de amor, atenção, cuidados. Agora compreendo que meus pais me criaram com a educação que eles receberam. Fui castrada, enquadrada, não pude crescer e expressar a minha essência. Tenho feito vários cursos de autoconhecimento e vivencias que me ajudaram a superar todos os traumas. Melhorei bastante, perdoei meus pais (falecidos) e compreendi que tudo o que aconteceu em minha vida foi consentido por mim, ninguém teve culpa de nada, nem mesmo eu. Tudo foi aprendizado. Para minha cura total falta eu recuperar a alegria de viver.

    Reply
  32. Rosalia

    Eu tinha 15 anos quando emgravidei do meu primeiro filho , estava noiva quando comecei a semtir enjos era pra me casar em dezembro ,ai em agosto comecei a sentir mai ! minha mãe me levou au medico ai ela descobriu que estava gravida ,ela me expulsou de casa mais meu pai emtrou em briga com ela qui eu não ia sair sem me casar ela queria que me casace no mês de agosto meu pai não ,queria que fose em setembro ,ai a minha irmã mais velha me levou pra casa dela ate a data do casamento que foi no dia 1 de setembro ,eu já fiquei triste com as coisas da quele jeito ,ai uma semana depois eu fiquei sabendo que minha mãe ,tinha falado que o filho que eu estava esperando não era neto dela ERA NETO DO CAPETA ! mais eu senti meu filho tremer dentro de min, foi muito forte pramin ouvir isto fiquei muito tempo com isso me emcomodando sem perdoar ,eu me casei com pai do meu filho tive outro filho ,e estes forão os únicos netos dela que não teve carinho de vo a um tempo depois ela teve diabetes ai vei as doenças junto foi quando ela começou a precisar de ajuda me procurou e eu fiz o que podia fazer por ela perdeu os rins teve que fazer dialis e depois emodialis ai teve rejeição e ela morreu ,mais sofri muito e a magoa la no cantinho ate qui quando fiz 40 anos eu gosto muito de ler estava lendo um livro de auto ajuda comecei relembra de tudo que tinha passado ,me coloquei no lugar dela ai comecei a intender o lado dela hoje já tem 18 anos que ela morreu ,mais so não emtendi porque que tem pessoas que tive mal e quer ver vc pior pois se minha cunhada não tivese me falado teria sido muito mais fácil porque eu numca saberia que minha mãe rejituo meus filhos ,mais DEUS E DEUS hoje so me lembrei porque esta foi uma das passagen mais dificio da minha vida eu era muito nova não sabia mei que aquilo estava sentido era magoa ! tive varias magoas depois dessa estou sobrevivendo ! obrigado por ter o entereçe em saber …..!!!

    Reply
  33. CIBELI

    Acho que o que mais preciso perdoar é justamente acontecimentos da infância como a ausência do meu pai por causa de um caso com outra mulher, a imaturidade de minha mãe na época que acabava me envolvendo em situações não convenientes e a super proteção da minha vó que me fez crescer sentindo-me fraca, bobinha e manipulável, o que me trouxe algumas decepções por acabar me envolvendo justamente com pessoas fortes e manipuladoras…

    Reply
  34. Gabriela

    Meu pai sempre foi ausente, e eu cresci ouvindo que ele não prestava. Mas hoje consigo entender que ele não sabia fazer diferente, que ele me ama, só não sabe demonstrar esse amor.

    Reply
  35. ina

    Sim tenho! quando eu era pequena, meu pai era muito ausente na minha vida, eu sentia muita raiva dele por ser tao ausente ele morava em outra cidade, via ele raramente e quando eu mais precisava dele não estava presente, mas no inicio da minha adolescência, logo quando tive certas crises de ansiedade pois temia mudanças que iriam acontecer, vi que ele acabou se mudando pra minha cidade, ficando presente cada vez mais, me dando conselhos, e então vi que eu devia perdoa-lo pois ele me amava mesmo longe.

    Reply
  36. Monica

    Tenho muitas mágoas guardadas e sei que estão retardando meu desenvolvimento – tanto pessoal quanto espiritualmente. Fui ensinada a não expressar sentimentos mais fortes e profundos: isso era ser “educada” para a minha mãe, de família inglesa. Mas é incrível como eu não me lembro de nenhuma mágoa de quando era bem pequena…lembro apenas as inúmeras que tive depois de casar com a “única pessoa que poderia me entender” – era assim que pensava na época que casei, aos 20 anos de idade. Para mim ele tinha sido a única pessoa a entender e valorizar a minha paixão pela arte. Não preciso dizer que depois que casamos ele não só parou de me incentivar como passou tentar me dissuadir minando minha confiança – e falta de confiança em mim era o meu grande problema – como eu nunca tinha sido incentivada, valorizada, elogiada pela minha mãe (para o ego não inchar, entre outras crenças) eu precisava de incentivo para ousar abraçar uma carreira que não prometia segurança. Senti isso como uma profunda traição.
    Sei que preciso e quero perdoar mas confesso que é difícil para mim.
    Escrevendo isso, acabei de perceber que, provavelmente para perdoar meus pais por não me darem o apoio e incentivo que precisava, acabei transferindo para meu ex-marido
    toda a responsabilidade de me apoiar nas minhas escolhas e permiti que ele escolhesse por mim. Obrigada pela oportunidade de ter essa reflexão.

    Reply
  37. JESSICA

    olá,a minha história de não perdão se inicia no ventre da minha mãe,quando ela descobriu que estava gravida de mim estava se separando do meu pai ela ja tinha meus dois irmão então opitou em abortar,só que o plaNO NÃO DEU MUITO CERTO APESAR DE MUITOS CHÁS E SOCOS NA BARRIGA EU NASCI,DOS 5 ATÉ OS 12 ANOS DE IDADE EU SENTIA UMA REJEIÇÃO DA PARTE DELA,VIA QUE O COMPORTAMENTO DELA COM OS MEUS IRMÃO ERA DIFERENTE EM REUNIÕES DE ESCOLA ELA IS NA ESCOLA DA MINHA IRMÃ MAIS NÃO IA AS MINHAS,ENFIM ME TORNEI UMA ADOLESCENTE REBELDE EM UMA DESCULÇÃO COM MINHA TIA ELA ME DISSE PENA QUE O ABORTO NÃO DEU CERTO SUA PRAGA DEVERIA NEM TER NASCIDO.ENTÃO PERGUNTEI A MINHA MAE SE ERA VERDADE AQUILO E ELA ME DISSE QUE SIM E QUE NAO QUERIA MAIS UM FILHO PARA SOFREDR POIS ESTAVA SE SEPARANDO DO MEU PAI..AI COMECEI A ENTENDER O PORQUE ELA ME TRATAVA DIFERENTE NUNCA ME DISSE UM EU TE AMO,SEMPRE MEESCONDEU AS COISAS,AOS 15 ANOS ME DEIXOU C MINHA IRMÃ E FOI MORAR COM OUTRO HOMEM,AOS DEZESSEI ENGRAVIDEI E CASEI COM QUEM VIVO ATÉ HJ,AOS DEZENOVE ANOS TIVE UMA PIELONEFLITE E DESCOBRI QUE SÓ TINHA O RIM DIREITO O ESQUERDO NÃO HAVIA SE FORMADO,CREIO EU QUE POR CONTA DOS REMEDIOS E CHAS QUE ELA ENJERIU,HJ ELA MORA COMIGO POIS MINHA IRMÃ Q ELA VENERAVA A PÔS PARA FORA DE CASA E EU ACOLHI,MAIS NÃO VEJO VERDADE3 NOS OLHOS DELA NÃO SINTO QUE GOSTE DE MIM VIVE COMIGO POIS NÃO TEM UM CANTO PARA IR E NÃO QUER PAGAR ALUGUEL,MAS ENFIM TDAS AS VEZES QUE SINTO COLIGA RENAL ME LEMBRO QUE UM DIA ALGUÉM NÃO ME AMOU

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>